04 dez 2011

Crônica do campeão: “Saí de Petrópolis para ser enfeitiçado por esta mística”, por Dudu Monsanto



São Paulo (SP), 4 de dezembro de 2011

A pedido do Toque de Bola, o jornalista Dudu Monsanto, formado na UFJF e um dos destaques dos canais de TV ESPN, fez uma crônica sobre o título brasileiro conquistado pelo Tupi em 20 de novembro. Dudu não se cansa de fazer várias referências ao clube carijó nos programas e nas transmissões que participa.

Por Dudu Monsanto

Faltam cinco minutos para a bola rolar em Recife. Estou em São Paulo, a quase três mil quilômetros da capital pernambucana, e procuro desesperadamente um jeito para acompanhar pela internet o jogo mais importante da história do Tupi. Já consegui sintonizar a Rádio Globo, e as vozes familiares de Ivan Costa e Ricardo Wagner começam a relatar tudo o que acontece no Arruda. A vontade de estar entre os quase 60 mil pagantes me corroi, mas crescer é entender que nem sempre o que a gente quer é possível.

Quem tem alma Carijó tem a pele calejada. Comecei a me apaixonar pelo time de Santa Terezinha ainda nos tempos de segundona mineira. Dava meus primeiros passos na Rádio Solar, em 1997, e transmiti aquele fatídico empate com o Nacional de Uberaba no Mário Helênio. A vitória garantia o acesso, e o jogo terminou sem gols. Choradeira no Municipal, que se repetiu na Série C do mesmo ano. Eram 64 clubes, e não é que o Tupi chegou ao quadrangular final? Melhor ainda: a três jogos do fim da competição, um pontinho bastava para chegar à Série B. E não é que os comandados de Jair Bala perderam para Francana, Sampaio Corrêa e Juventus? Trauma é pouco.

Era disso que eu lembrava quando consegui achar o sinal online da Rede Minas, que transmitia o jogo para os mineiros. Abaixei o volume e continuei ouvindo o Xodó da Galera. A vontade de acreditar no título era maior que tudo, mas as lembranças de outros tropeços históricos, como na Série C em 2003 (garfados contra o Bragantino) sempre vinham à mente. E lá estava eu em meu escritório em São Paulo, imerso em tudo o que acontecia no Arrudão. Rodrigo pegava tudo. Wesley Ladeira e Sílvio faziam um partidaço na zaga. E o primeiro tempo terminava sem gols. O título começava a parecer possível.

Eu tinha visitado Juiz de Fora dois dias antes e tinha recebido de presente do jornalista Wallace Mattos uma camisa do Galo autografada por todo o elenco que brigava para ser campeão brasileiro da Série D. Via o jogo com a camisa nas mãos, e me lembrava da emoção de ver uma volta olímpica do Tupi no Módulo II em 2001 e na Taça Minas de 2008. Nada que se comparasse a um título nacional. E pelos pés de Allan, jovem avô, ex-taxista e artilheiro em atividade, voltei a me emocionar com uma partida de futebol depois de longos anos. O grito de gol ecoou na selva de pedra, seguido pelo berro de “GAAAAAAAAAALOOOOOOO !!!”. Sãopaulinos, corintianos e palmeirenses devem ter se perguntado se algum atleticano maluco estava perdido por ali. Que Atlético nada…

Gritos que se repetiram ao gol de Henrique, e se juntaram às lágrimas de um homem que se fez repórter contando as glórias e agruras de um time quase centenário. O clube charmoso de uma cidade que vive sob a influência do Rio de Janeiro, mas que tem um time de verdade pra chamar de seu. Torcer pro Tupi é um privilégio que cada vez mais os juizforanos vão descobrir. Eu saí de Petrópolis pra ser enfeitiçado por esta mística, mesmo que as derrotas tentassem minimizar este sentimento. Agora, com o time na crista da onda, tomara que torcer pro Galo vire moda em Juiz de Fora.

 


Voltar

Deixe uma resposta

Notícias


21 abr 2018
Gol de Adê, 43 anos, aos 43 minutos! Baeta vence e sobe

19 abr 2018
Baeta confiante para buscar o “combo”: vitória, acesso e vaga na final

19 abr 2018
Futsal: Léo Aleixo vibra com títulos e adaptação da família na Bélgica

19 abr 2018
Copa Prefeitura Bahamas de Futsal: resultados do Boletim 6

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse

error: Conteúdo protegido.