13 abr 2011

‘Os clubes do interior vivem de teimosos’



Juiz de Fora (MG), 13 de abril de 2011

Das seis partidas que o Tupi fez em casa no Campeonato Mineiro 2011, cinco foram deficitárias. O único jogo em que a bilheteria teve saldo positivo foi no empate em 0 a 0 contra o Cruzeiro.

A última partida em casa, contra o América (B.H.), só confirmou o que todos já sabiam: o time deste ano não empolgou a torcida juiz-forana. Contra o Coelho, foram vendidos 301 bilhetes de arquibancada, totalizando R$ 3.612. Outras 827 pessoas pagaram meia entrada, gerando receita de R$ 4.962. Houve ainda a venda de 350 ingressos a R$ 1 – bilhetes enviados pela Federação Mineira de Futebol para serem repassados a empresas patrocinadoras -, totalizando R$ 350.

Ao todo, o montante arrecadado com a venda de ingressos foi de R$ 8.924. Mas, a despesa junto a Federação Mineira de Futebol (FMF) foi de R$ 13.001,58. Com isso, o Tupi teve que desembolsar R$ 4.077,58. Assim, se somadas todas as partidas em casa, o saldo foi de R$ 12.753,58 graças aos R$ 31.696,16 arrecadados no duelo contra a Raposa. Esse cálculo leva em consideração apenas as despesas com a FMF. Não estão incluídas as despesas com os quadros móveis da Liga de Futebol de Juiz de Fora e do Estádio Municipal Radialista Mário Helênio.

Segundo o vice-presidente do Tupi, José Roberto Maranhas, a baixa arrecadação do Tupi no Estadual também foi observada em 2010. “Não é de hoje, não. No ano passado, a arrecadação também foi deficitária. O futebol está muito difícil para todos. No Cruzeiro, por exemplo, o Perrela [Zezé] fala que só consegue fechar o ano se vender dois jogadores. Só com dinheiro de arrecadação e patrocinadores não dá para cumprir todos os custos. Isso no Cruzeiro, que tem direito de imagem durante todo o ano”, disse.

Ainda de acordo com o dirigente, os times do interior que conseguem melhores resultados ou são patrocinados por prefeituras ou por algum empresário forte, citando o América, de Teófilo Otoni. “Os times do interior estão vivendo de teimosos, já que não há público e nem interesse. E essa história de que não há público porque o time não é bom não é verdade. Se montarmos um time com média salarial mais alta, mesmo com a arrecadação dos jogos aumentando, não será suficiente para cobrir as despesas”, comentou Maranhas, exemplificando que para um grupo com média salarial de R$ 15 mil – o que ele acredita ser suficiente para disputar o título do Mineiro -, as despesas mensais girariam em torno de R$ 550 mil, valor que é impossível cobrir mesmo se fossem dobrados os investimentos dos patrocinadores e a média de público nos jogos.

Por isso, o dirigente não esconde que está difícil enxergar uma luz no fim do túnel. “Não vejo nenhuma possibilidade de mudança. O torcedor tem que entender que a conta é complicada”, finalizou o vice-presidente do Tupi.

O Tupi encerra sua participação no Campeonato Mineiro de 2011 no próximo domingo, contra o Ipatinga, no Vale do Aço. Sem chances de classificação para a semifinal, o Alvinegro luta por uma vaga na Série D do Brasileirão.

Texto: Thiago Stephan


Voltar

Uma Resposta to “‘Os clubes do interior vivem de teimosos’”

  1. Otávio Botti
    14/04/2011 às 15:13

    Maranhas deixou claro que não aguenta mais administrar o futebol do Tupi,acho que o Tupi tem que se renovar urgentemente! aproveito para parabenizar o site e pedir uma entrevista com o Fabricio Soares que há muito tempo merece um reconhecimento maior da imprensa e da nossa torcida… abraço

Deixe uma resposta

Notícias


19 fev 2018
JF Vôlei tem semana de desafios seguidos em busca da reação na Superliga

17 fev 2018
Baeta perde na estreia do Módulo 2

17 fev 2018
Tupynambás estreia no Módulo 2 fora de casa

16 fev 2018
Com Leão ainda treinador interino, Tupi visita URT

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse