15 mar 2011

Villa Nova e Atlético reescrevem história iniciada em 1912



Nova Lima (MG), 15 de março de 2011

Quando o Villa Nova pisar o gramado da Arena do Jacaré no próximo domingo, 20, o time se defrontará contra seu mais antigo adversário na história. De fato, o clássico contra o Atlético representa a partida de futebol disputada há mais tempo em Minas Gerais. O primeiro jogo aconteceu no dia 14 de julho de 1912.

A realização desse amistoso, que ocorreu num festival em homenagem ao aniversário de Bueno Brandão, que era o presidente de Minas Gerais, consta em reportagens publicadas pelo jornal Estado de Minas, em setembro de 1938 e em dezembro de 1949. O 14 de Julho era também comemorativo à liberdade e à independência dos povos americanos e por isso uma banda de música se apresentou durante o jogo.

O antigo campo do Atlético, local do primeiro cotejo entre Leão e Galo, era localizado na Av. Paraopeba, atual Rua Augusto de Lima, onde hoje está construído o Minascentro. O Álbum de Ouro do Clube Atlético Mineiro informa que foi a primeira vitória do Galo numa partida intermunicipal, já que no primeiro jogo dessa natureza na história do alvinegro, em 12/5/1912, o time foi goleado no mesmo local por 5×1 pelo Granbery, time do tradicional educandário de Juiz de Fora-MG onde estudou o ex-presidente Itamar Franco.

O capitão do Villa nesse amistoso foi John Clemence e o do Atlético, Meirelles. Na preliminar: Atlético-B 4×0 Villa Nova-B.

FICHA TÉCNICA

14/7/1912 – domingo – Amistoso

Atlético 5×1 Villa Nova

Gols – Meirelles, Meirelles, Meirelles, Meirelles, Morgan (A) – Trevice (V)

Local – Estádio do Atlético na Av. Paraopeba (Belo Horizonte-MG)

Atlético – Nullo, Morethzon e Alfredo; Sebastião Laranjeiras, Henrique den Dopper e Proença Sigaud; Jair Reis, João Brito, Meirelles, Morgan e Aristides

Técnico – Francisco Neto

Villa Nova – John Clemence, Willy Willians e Albert Clemence; George Fellews, Eduardo Morgan e Baptista; Dimas, Aristeu, Trevice, João Moreira e Machado

Técnico – Ground Committe

Leão x Galo

Ao longo dessa velha rivalidade é fato que o Atlético estabeleceu uma boa vantagem no cômputo geral dos 232 jogos realizados até hoje. O Villa Nova, porém, que contabiliza 43 vitórias nessa peleja, levou a melhor em várias decisões em que esteve frente a frente com o alvinegro de Belo Horizonte.

O Villa Nova, com essas 43 vitórias sobre o Atlético, a primeira obtida em 13/10/1918 (goleada de 7×2, no Alçapão do Bonfim) e a última no dia 21/1/2007 (3×2, no Mineirão, pelo Campeonato Mineiro), é o terceiro clube que mais venceu o Galo na história. Somente Cruzeiro e América têm mais triunfos em cima do alvinegro.

Vale a pena reviver três ocasiões históricas em que o bravo Leão do Bonfim superou o Galo e se tornou um dos seus adversários mais temíveis e aziagos.

Decisão do Campeonato Mineiro de 1934

Villa Nova e Atlético chegaram à última rodada do Campeonato Mineiro, que era disputado em turno e returno, com pontos corridos, em condições de decidir o título no clássico que seria disputado entre eles no Estádio Castor Cifuentes. O Galo tinha um ponto à frente do Villa Nova e bastava o empate para se sagrar campeão pela primeira vez na era do profissionalismo. O Leão do Bonfim precisava vencer para levantar o bicampeonato mineiro (ou tricampeonato, se levarmos em consideração que o Villa já tinha vencido o torneio promovido pela AMEG, uma entidade dissidente, em 1932).

O lendário Estadinho do Bonfim estava lotado, contando na tribuna de honra com as ilustres presenças do governador de Minas Gerais, Benedito Valadares, e do ministro da Agricultura, Odilon Braga. O primeiro tempo terminou empatado por 0x0, resultado que garantia o troféu ao Atlético. O Villa Nova inicia o segundo tempo com uma alteração que seria decisiva para os destinos da partida: a entrada do jovem atacante Perácio no lugar de Pascoal.

Aos 24 minutos do segundo tempo, o ponta-direita villa-novense Tonho passa pela marcação de Mário Gomes e cruza no segundo pau. O ponta-esquerda Canhoto devolve a bola para o meio da grande área. Perácio aparece por trás da zaga atleticana e desfere uma forte cabeçada na bola que vai parar no fundo das redes do goleiro Armando Policeni. Gol do Villa Nova e aí começa uma tremenda confusão, com os jogadores do Galo alegando que a bola saíra no cruzamento de Tonho, voltando ao campo devido à ação de um torcedor do Leão que a empurrou com uma bengala, retornando-a ao gramado.

Os jogadores do Villa Nova negam veementemente a “bengalada” e a polícia não consegue controlar a situação. Já os atletas do Atlético estimulam a confusão para que a noite comece a escurecer o Castor Cifuentes (a iluminação do estádio só foi instalada em abril de 1982!). Por falta de garantias, o árbitro Guilherme Gomes, que havia sido importado do Rio de Janeiro a peso de ouro para apitar a decisão, resolve encerrar o jogo e sai de Nova lima sob forte esquema de segurança.

Começa, então, a batalha nos tribunais para se decidir o imbróglio criado com a suspensão da partida. O Villa Nova pleiteia a manutenção da vitória por 1×0, alegando que o Atlético forçou a confusão para encerrar o clássico e buscar a vitória no “tapetão”. O Galo insiste na anulação do jogo e a marcação de outro para Sabará, município vizinho a Nova Lima e sede do Esporte Clube Siderúrgica, grande rival do Leão do Bonfim naqueles tempos. Nem uma coisa, nem outra: numa decisão equilibrada, a Associação Mineira de Futebol, AMF, a entidade que organizava o Campeonato Mineiro à época, decidiu que os 21 minutos restantes seriam jogados realmente em campo neutro, porém, com os portões fechados. O complemento da decisão foi marcado realmente para o Estádio de Nossa Senhora da Praia do Ó, campo do Siderúrgica, mas os portões fechados impediram a estratégia do Atlético de contar com a simpatia dos torcedores locais, além dos seus próprios, para pressionar o Villa Nova.

Cinqüenta dias após o polêmico lance da bengala, que entrou para os anais do rico folclore do futebol mineiro e nunca foi completamente esclarecido, embora os indícios sejam de que se tratou de uma tentativa de armação por parte do Atlético, os 21 minutos do clássico foram jogados em Sabará. O Villa Nova segurou o assédio atleticano e não permitiu o empate. Com a manutenção do 1×0 obtido com o gol de Perácio, que depois iria para o Botafogo e disputaria a Copa do Mundo de 1938 como titular absoluto, o Leão sagrou-se campeão mineiro de 1934.

30/09/1934 – domingo – 15h

Villa Nova 1×0 Atlético

Gol – Perácio ( 24’ do 2º)

Público – 5.000

Local – Estádio Castor Cifuentes (Nova Lima-MG)

Árbitro – Guilherme Gomes (RJ)

Villa Nova – Geraldão, Chico Preto e Sérgio; Zezé Procópio, Neco e Geninho; Tonho, Alfredo Bernardino, Campos, Pascoal (Perácio) (intervalo) e Canhoto

Técnico – Zé de Deus

Atlético – Armando Policeni, Tião e Evandro; Justo, Lola e Mário Gomes; Lelo, Paulista, Guará, Nicola e Elair

Técnico – Floriano Peixoto

OBS. Jogo encerrado aos 24 minutos do segundo tempo.

18/11/1934 – domingo – 15h

Villa Nova 0x0 Atlético

Público – Partida disputada com portões fechados

Local – Estádio de Nossa Senhora da Praia do Ó (Sabará-MG)

Árbitro – Osvaldo Kroft de Carvalho (MG)

Villa Nova – Geraldão, Chico Preto e Sérgio; Zezé Procópio, Neco e Geninho; Tonho, Alfredo Bernardino, Campos, Perácio e Canhoto

Técnico – Zé de Deus

Atlético – Armando Policeni, Tião e Evandro; Jaci, Lola e Mário Gomes; Lelo, Paulista, Guará, Nicola e Elair

Técnico – Floriano Peixoto

OBS. Foram disputados os 21 minutos restantes do jogo anteriormente suspenso.

Decisão do Campeonato Mineiro de 1951

Os dois tradicionais rivais se encontram novamente para decidir o título do Campeonato Mineiro de 1951. O Atlético carregava o trauma de jamais haver conquistado um tricampeonato, proeza que Villa Nova, Palestra Itália/Cruzeiro e América (considerando o decacampeonato obtido ainda na era do amadorismo) já ostentavam. O alvinegro perdera a oportunidade de levar o tri em vários ocasiões: 1928, 1933, 1940, 1943 e 1948. Nesse ano, foi derrotado pelo América por 3×1 numa partida conturbada em que o árbitro inglês Cyril John Barrick, o famoso mister Barrick, teria validado um gol irregular do Coelho. Tal como na final de 1934, o Atlético alegou ilegalidade no lance, afirmando que a bola tinha batido no muro do Estádio Otacílio Negrão de Lima, voltado e entrado no gol pelo lado externo das redes.

Portanto, a decisão de 1951, que na verdade foi disputada em janeiro de 1952 e marcou as primeiras transmissões esportivas da Rádio Itatiaia de Belo Horizonte, representava mais uma chance para o Atlético quebrar o tabu referente ao tricampeonato estadual. Mas, do outro lado estava o esquadrão do Villa Nova, comandado por Martim Francisco e recheado de craques que imortalizaram essa conquista do time alvirrubro. Foram necessários três jogos para se conhecer o grande campeão. O torneio de 1951 recebeu o nome de supercampeonato devido ao equilíbrio e a força dos dois poderosos rivais.

1° Jogo – 13/01/1952 – domingo – 16h

Atlético 1×1 Villa Nova

Gols – Alvinho (18` do 2°) (Atlético) – Tão ( 38’ do 2°) (Villa)

Público – 17.000

Renda – Cr$ 146.000,00

Local – Estádio Otacílio Negrão de Lima – Alameda (Belo Horizonte-MG)

Árbitro – Francisco Trindade (MG)

Assistente 1 – Geraldo Fernandes (MG)

Assistente 2 – Willer Costa (MG)

Atlético – Sinval, Juca e Osvaldo; Geraldino, Zé do Monte e Afonso; Lucas Miranda, Antoninho, Mauro Patrus, Alvinho e Vavá

Técnico – Iustrich

Villa Nova – Arizona, Madeira e Anísio; Vicente, Lito e Tão; Osório, Vanduca, Tobias, Foguete e Fradeco

Técnico – Prão

OBS – Aos 35 minutos do segundo tempo, o árbitro marcou pênalti para o Atlético. Madeira segurou Alvinho dentro da área. O ponta-direita Lucas Miranda chutou para fora.

2° Jogo – 24/01/1952 – quinta-feira – 19h

Atlético 2×2 Villa Nova

Gols – Mauro Patrus (8’do 1°), Lucas Miranda ( 39’ do 1°) (Atlético) – Osório ( 31’ do 1°), Escurinho ( 33’ do 1°) (Villa)

Público – 19.500

Renda – Cr$ 164.000,00

Local – Estádio Independência (Belo Horizonte-MG)

Árbitro – Francisco Trindade (MG)

Assistente 1 – Geraldo Fernandes (MG)

Assistente 2 – Willer Costa (MG)

Atlético – Sinval, Juca e Osvaldo; Geraldino, Zé do Monte e Haroldo; Lucas Miranda, Mauro Patrus, Vavá, Alvinho e Zeca

Técnico – Iustrich

Villa Nova – Arizona, Madeira e Anísio; Vicente, Lito e Tão; Osório, Vanduca, Chumbinho, Foguete e Escurinho

Técnico – Prão

OBS – O governador Juscelino Kubitschek deu o pontapé inicial da partida. O segundo jogo deveria ter sido disputado no dia 20/01, às 16h, mas foi adiado pelo árbitro da partida, Francisco Trindade. O gramado não tinha condições devido a uma forte chuva que caiu ao final da decisão do Campeonato de Aspirantes entre Paissandu e Siderúrgica, preliminar de Villa Nova x Atlético. O campo apresentava várias poças d`água, principalmente em frente aos gols.

3° Jogo – 27/01/1952 – domingo – 16h

Atlético 0x1 Villa Nova

Gols – Vaduca ( 5’ do 2°)

Público – 25.000

Renda – Cr$ 211.300,00

Local – Estádio Independência ((Belo Horizonte-MG)

Árbitro – Geraldo Toledo (MG)

Assistente 1 – Alcebíades Dias Magalhães — Cidinho Bola-Nossa Assistente 2 – Willer Costa (MG)

Atlético – Sinval, Juca e Osvaldo; Geraldino, Zé do Monte e Haroldo; Lucas Miranda, Antoninho, Mauro Patrus, Alvinho e Vavá

Técnico – Iustrich

Villa Nova – Arizona, Madeira e Anísio; Vicente, Lito e Tão; Osório, Vanduca, Chumbinho, Foguete e Escurinho

Técnico – Prão

OBS – O Villa Nova exigiu uma arbitragem carioca e os nomes de Mário Vianna, Gama Malcher e Tijolo estavam na lista para apitar a partida. O Atlético por sua vez queria um juiz mineiro. A Federação não conseguiu um árbitro carioca e o juiz da partida só foi ser conhecido depois de um sorteio realizado no Independência depois de 40 minutos após o horário marcado para o início da partida. Geraldo Toledo, Alcebíades Dias Magalhães, o folclórico Cidinho Bola-Nossa, um notório atleticano, e Willer Costa eram os nomes incluídos no sorteio. O zagueiro Juca, do Galo, é irmão dos villa-novenses Osório e Vaduca.

Quartas-de-Final do Campeonato Mineiro de 1997

Décadas depois de épicas decisões, Villa Nova e Atlético se viram diante de um enfrentamento eliminatório no Campeonato Mineiro de 1997. O Galo havia sido o primeiro colocado na Fase Classificatória do certame e o Leão do Bonfim conseguiu a sua qualificação a duríssimas penas num modesto 8º lugar. Era o confronto entre o melhor colocado e o pior, entre os oito finalistas do Mineiro. Mas, o Villa Nova não tomou conhecimento dessa desvantagem e venceu bem no Castor Cifuentes por 3×1. Depois, foi só administrar a vantagem no Mineirão e carimbar o passaporte às semifinais. O aguerrido Leão tombaria apenas na decisão diante do Cruzeiro.

Jogo de Ida – 18/05/1997 – domingo – 16h

Villa Nova 3×1 Atlético

Gols – Guiba ( 5’ do 2º), Marquinhos ( 30’ do 2º), Adão ( 35’ do 2º) (Villa) – Leandro Tavares ( 19’ do 1º) (Atlético)

Público – 4.488

Renda – R$47.475,00

Árbitro – Antônio Willian Gomes (MG)

Assistente 1 – Helberth Costa Andrade (MG)

Assistente 2 – Marco Antônio Martins (MG)

Cartão Amarelo – Geovane, Jean (Villa) – Leandro Tavares (Atlético)

Cartão Vermelho – Mário (Villa) – Doriva (Atlético)

Villa Nova – Cláudio Santos; Wilson Mineiro, Geovane, Eleomar (Cláudio Roberto) e Wander; Jean, Joca (Marquinhos), Guiba e Kal Baiano; Badico (Mário) e Adão

Técnico – Brandãozinho

Atlético – Taffarel; Edgar, Luís Eduardo, Márcio Santos e Marcos Adriano; Doriva, Gutemberg, Marquinhos (Juninho Rodrigues) e Leandro Tavares; Euller e Evair (Valdeir)

Técnico – Eduardo Amorim

Jogo de Volta – 25/05/1997 – 16h

Atlético 1×0 Villa Nova

Gol – Nilo ( 35’ do 2º)

Público – 25.337

Renda – R$123.841,00

Local – Estádio Governador Magalhães Pinto – Mineirão (Belo Horizonte-MG)

Árbitro – Marco Antônio Cunha (MG)

Assistente 1 – José Eugênio (MG)

Assistente 2 – Roberto da Silva Nasta (MG)

Cartão Amarelo – Marcos Adriano, Alex Oliveira (Atlético) – Wilson Mineiro, Cláudio Roberto, Wander, Jean, Joca, Kal Baiano, Adão (Villa)

Cartão Vermelho – Não houve

Atlético – Taffarel; Marcos Adriano (Cairo), Luís Eduardo (Cláudio Caçapa), Márcio Santos e Dedê; Juninho Rodrigues, Gutemberg, Alex Oliveira (Nilo) e Leandro Tavares; Euller e Valdeir

Técnico – Eduardo Amorim

Villa Nova – Cláudio Santos; Wilson Mineiro, Cláudio Roberto, Eleomar e Wander (Alemão); Jean, Joca, Guiba, Marquinhos (Paulo César) e Kal Baiano; Adão (Carlinhos)

Técnico – Brandãozinho

E assim, contamos três episódios gloriosos do Villa Nova no cotejo com o seu arquirrival de Belo Horizonte. A estatística geral do clássico é esta:

Jogos: 232

Vitórias do Villa Nova: 43

Empates: 51

Vitórias do Atlético: 135

Resultados Desconhecidos: 3

Gols marcados pelo Villa: 252

Gols marcados pelo Atlético: 469

Fonte: ALMANAQUE DO LEÃO DO BONFIM.

VEM AÍ O ALMANAQUE DO LEÃO DO BONFIM

LANÇAMENTO: 25 DE MARÇO DE 2011

Após quatro anos e meio de intensa pesquisa e detalhada compilação de dados, acabo de concluir o Almanaque do Leão do Bonfim, obra de 680 páginas que traz a Ficha Técnica completa dos jogos realizados pelo Villa Nova no transcurso da história, com a escalação dos adversários. O livro contém 215 fotos, contemplando a trajetória do clube nos gramados nessa longa caminhada, marcada por lutas, conquistas e um incontido amor de seus apaixonados torcedores.

O Almanaque do Leão do Bonfim, que tem o prefácio do consagrado jornalista e historiador Celso Unzelte (autor de sete livros dedicados ao futebol, entre eles o excepcional Almanaque do Corinthians) traz também:

– A estatística dos confrontos do Villa Nova contra seus 326 adversários;

– A estatística dos jogos distribuídos por competição;

– As maiores goleadas aplicadas;

– As maiores goleadas sofridas;

– Os maiores públicos;

– Os menores públicos;

– A estatística dos jogos realizados nos estádios mais utilizados;

– A estatística dos jogadores que defenderam o Villa Nova;

– A relação dos 50 atletas que mais atuaram;

– A relação dos maiores artilheiros;

– Os jogadores recordistas em gols marcados num único jogo;

– A relação dos técnicos que trabalharam no Villa Nova;

– A estatística dos técnicos que mais trabalharam;

– O ranking dos técnicos que mais trabalharam;

– Os times-base do Villa Nova no decorrer da história.

Além dessa miríade de detalhes sobre o clube, o Almanaque do Leão do Bonfim apresenta a Ficha Técnica dos Jogos Especiais realizados, o que inclui a participação do Villa Nova no Torneio Início e em outras competições com partidas dotadas de características diferenciadas.

Texto: Jornalista  Wagner Augusto

Assessor de Imprensa e Historiador do Villa Nova A.C.

VILLA NOVA A. C.

Foto: Atlético x Villa Nova – 1912 – Almanaque do Leão do Bonfim


Voltar

Deixe uma resposta

Notícias


19 fev 2018
JF Vôlei tem semana de desafios seguidos em busca da reação na Superliga

17 fev 2018
Baeta perde na estreia do Módulo 2

17 fev 2018
Tupynambás estreia no Módulo 2 fora de casa

16 fev 2018
Com Leão ainda treinador interino, Tupi visita URT

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse