01 jul 2014

Bélgica bate Estados Unidos na prorrogação e encara Argentina. Copa terá campeão invicto



Os confrontos de quartas de final da Copa do Mundo estão definidos. A Bélgica superou os EUA na Fonte Nova nesta terça-feira e fechou o grupo de classificados para a próxima fase do Mundial. As oito seleções restantes ainda não perderam na competição. Assim, o campeão da Copa de 2014 vai levantar a taça no Maracanã de forma invicta.

Brasil e Colômbia fazem uma das quartas de final. A seleção comandada por Felipão tem até aqui duas vitórias, sobre Croácia e Camarões, e dois empates, México e Chile (avançou nos pênaltis). Já os colombianos, liderados por James Rodríguez, conquistaram 100% de aproveitamento no Mundial, com vitórias sobre Grécia, Costa do Marfim, Japão e Uruguai.

Outro esperado confronto é o clássico europeu entre França e Alemanha. Os franceses, que tiveram o corte de Ribéry antes da Copa, ganharam três jogos (Honduras, Suíça e Nigéria) e empataram contra o Equador, ainda na primeira fase. Do outro lado, os alemães venceram Portugal, Estados Unidos e Argélia, além de empatar com Gana.

Vice-campeões em 2010, os holandeses terão a sensação Costa Rica na próxima fase. A Holanda é outra seleção com 100% de aproveitamento até aqui, com vitórias sobre Espanha, Austrália, Chile e México. Já a seleção costarriquenha, que venceu o “grupo da morte”, superou Uruguai e Itália e empatou com Inglaterra e Grécia.

O último confronto será entre Argentina e Bélgica. Os argentinos, capitaneados por Lionel Messi, venceram a Bósnia-Herzegóvina, Irã, Nigéria e Suíça. Já os belgas, com seu futebol pragmático e objetivo, ganhou de Argélia, Rússia, Coreia do Sul e Estados Unidos.

QUARTAS-DE-FINAL

SEXTA-FEIRA, DIA 3:

13h, Maracanã, Rio de Janeiro: França x Alemanha

17h, Mineirão, Belo Horizonte: Brasil x Colômbia

 

SÁBADO, DIA 4:

13h, em Brasília: Argentina x Bélgica

17h, na Fonte Nova, Salvador: Holanda x Costa Rica

De Bruyne sai para comemorar o gol. Ao fundo, norte-americanos lamentam (Foto: Getty - reprodução site ESPN Brasil)

De Bruyne sai para comemorar o gol. Ao fundo, norte-americanos lamentam (Foto: Getty – reprodução site ESPN Brasil)

 

Bélgica 2×1 Estados Unidos: mais um jogo emocionante, decidido só no tempo extra

Se ela é de ouro, fantástica, ótima, ou se qualquer outro adjetivo pode ser usado para descrever a atual geração que forma a seleção da Bélgica, isso vai ao gosto de cada torcedor. Para os belgas, o que importa é que, mesmo sem mostrar um futebol exuberante como muitos esperavam, eles estão ente os oito melhores da Copa. Nesta terça-feira, a Bélgica derrotou os Estados Unidos por 2 a 1, em Salvador, e avançou às quartas de final do Mundial, em sua melhor atuação no torneio – mesmo que o triunfo tenha saído só na prorrogação, após 0 a 0 no tempo normal.

O duelo na próxima etapa será com a Argentina. Pelo futebol apresentado por ambas as seleções até agora, o diferencial é “apenas” Messi. Se a geração belga for capaz de pará-lo, pode tornar concreto o sonho de todos que não param de elogiá-la. O palco para isso será Brasília, no próximo sábado. Por enquanto, fica a história de mais uma prorrogação emocionante naquela que, a cada jogo, pinta como forte candidata a melhor Copa de todos os tempos.

Fases do jogo: O primeiro tempo foi bom, apesar do 0 a 0. A segunda etapa foi da Bélgica, consagrando Tim Howard como um dos melhores goleiros da Copa. Mas a prorrogação, talvez, tenha sido o “melhor jogo” da Copa.

Na primeira etapa do tempo extra, a Bélgica finalmente fez valer sua superioridade no gramado, em sua melhor atuação na Copa. Com um minuto, gol, após linda jogada coletiva. De Bruyne recebeu de Lukaku, que entrou em velocidade pela ponta esquerda, cortou dois zagueiro e, finalmente, venceu Howard. A Bélgica passou a apostar que os EUA se abririam para sair ao ataque, e isso ocorreu. Aos 14 minutos, Lukaku recebeu em jogada três contra dois do ataque belga e venceu Howard batendo forte, pelo alto, quando o goleiro saía em seus pés.

O segundo tempo foi ainda melhor, com mais jogadas de habilidade e com um toque de drama gigantesco. Logo com um minuto, Green, que havia acabado de entrar, marcou, pegando de sem pulo de primeira lançamento de Bradley – golaço. Minutos depois, os EUA surpreenderam com impressionante jogada ensaiada e falta. Quatro toques em velocidade deixaram atordoados os zagueiros belgas, que viram Dempsey sair cara a cara com Courtois, que conseguiu a defesa com os pés. Até o final, os EUA abafaram. Chances foram criadas, mas nada entrou. Bélgica entre as oito melhores seleções do mundo.

O melhor: Tim Howard – O goleiro americano fez tudo que podia para parar o ataque da Bélgica, que a partir da segunda etapa do tempo normal saía a todo momento frente a frente com ele. Foram 15 defesas nesse estilo – recorde do Mundial. Ele defendeu bola pelo alto, dando “ponte”, rasteira, com o pé. Os dois gols belgas só saíram porque chega uma hora que só milagre salva.

O pior: Jermaine Jones – Ninguém na partida teve atuação individual fraca. O problema de Jones foi que ele apareceu mais na defesa do que ligando a bola ao ataque, como deveria. Assim, os EUA ficaram ainda mais pressionados pelo ataque belga. Ele também perdeu ótima chance no segundo tempo da prorrogação, quando os EUA haviam acabado de diminuir o placar.

Chave do jogo: Assim como na primeira fase, a Bélgica precisou do banco de reservas para mudar o jogo a seu favor. Se na Grupo H era Origi que substituía Lukaku e colocava fogo no jogo, o contrário ocorreu nesta terça. Lukaku entrou para a prorrogação e participou dos dois gols do triunfo e da vaga nas quartas, marcando o da vitória.

Toque dos técnicos: Wilmots, o técnico belga, soube como quebrar seu trauma pessoal de queda nas oitavas de final de Copa – foi ele que, em 2002, marcou sobre o Brasil, mas viu o árbitro anular. Quando viu que Mertens não produzia bem no ataque, o trocou por Mirallas. Este deu mais velocidade as jogadas pelas pontas da Bélgica. Como o 0 a 0 persistia, na prorrogação tirou Origi, dono de boa atuação mas que parou em Howard, e voltou a escalar Lukaku, seu antigo titular. Ele de u opasse para o primeiro gol e marcou o segundo.

Para lembrar:

No começo do 1° tempo, um homem invadiu o gramado da Fonte Nova com uma camisa do Super-Homem. Nela, mensagens misturando inglês e português. Se tratava do italiano Mario Ferri, que já invadiu jogos de Copa e de Mundial de Clubes anteriormente.

Antes do duelo entre Bélgica e EUA, a média de gols da Fonte Nova era de 5,25 por partida. Com os três desta terça, a média caiu, para ainda ótimos 4,8.

Serão quatro seleções europeias e quatro das Américas nas quartas de final. A ausência de outro continente nesta fase não acontecia desde 1986, quando foram cinco europeias e três americanas.

BÉLGICA 2 x 1 EUA

Data: 1° de julho de 2014
Horário: 17h00 (de Brasília)
Local: Fonte Nova, em Salvador (BA)
Árbitro: Djamel Haimoudi (ALG)
Assistentes: Redouane Achik (ALG) e Abdelhak Etchiali (ALG)
Cartões amarelos: Cameron, aos 18 min. do 1°t (EUA); Kompany, aos 41 min. do 1°t (BEL)
Gols: De Bruyne, aos 2 min, Lukaku, aos 14 min. do 1°t da prorrogação (BEL); Green, a 1 min. do 2°t da prorrogação (EUA)

BÉLGICA: Courtois; Alderweireld, Van Buyten, Kompany e Vertonghen; Witsel, De Bruyne, Fellaini e Hazard; Mertens (Mirallas, aos 15 min. do 2°t) e Origi (Lukaku, antes da prorrogação)
Técnico: Marc Wilmots

EUA: Howard; Cameron, Besler, Gonzales e Beasley; Johnson (Yedlin, aos 32 min. do 1°t), Bedoya (Green, aos 17 min. do 1°t da prorrogação), Jones e Bradley; Dempsey e Zusi (Wondolowski, aos 27 min. do 2°t)
Técnico: Jürgen Klinsmann

 

Texto e informações: www.uol.com.br/esporte

Foto: Getty – reprodução site ESPN Brasil

 


Voltar

Deixe uma resposta


Mais notícias



20 out 2017

Partiu Rússia? Danilo Luiz, de Bicas, é novamente convocado para defender a seleção brasileira


20 out 2017

Mano Menezes renova contrato por dois anos com Cruzeiro


19 out 2017

CBF anuncia “dindim” do Brasileirão: campeão leva R$ 18 milhões e 16º lugar terá R$ 744 mil

Notícias


21 out 2017

Sem qualquer substituição, JF Vôlei volta a perder por 3 a 1 em Montes Claros


20 out 2017

Interdição do estádio do Baeta expõe “racha” entre dirigentes e ADJF. Eleições e cota de Danilo Luiz geram polêmica


20 out 2017

Partiu Rússia? Danilo Luiz, de Bicas, é novamente convocado para defender a seleção brasileira


20 out 2017

Com Leozinho na seleção da rodada, JF Vôlei busca vitória contra Montes Claros, que já afastou treinador


+ notícias

Toque de Bola


O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.

Desenvolvimento




Acesse

error: Conteúdo protegido.