19 abr 2017

Lúdyo pede equilíbrio ao Baeta e quer jogadores que entendam melhor o Módulo 2



   Apesar da correria de jogos em meios e finais de semana, o Tupynambás está procurando entender porque a equipe amargou três derrotas consecutivas no Módulo 2 do Campeonato Mineiro, justamente no momento  em que a competição entrou na fase decisiva. que vai classificar os dois melhores do hexagonal à primeira divisão de 2018.

    Depois da derrota para o Nacional, de  Muriaé (segundo revés consecutivo em casa dos três primeiros  jogos do hexagonal), e com o  mesmo tom sereno que caracteriza suas entrevistas, seja qual for o resultado, o treinador Ludyo Santos admite que Comissão Técnica e dirigentes temiam o calendário apertado da fase decisiva, com jogos consecutivos que não permitem muitos treinamentos entre uma partida e outra. Lúdyo revela que vai optar daqui em diante por atletas que estejam entendendo melhor a competição, caracterizada, segundo ele, por jogos “feios”, normalmente com poucos gols, e com entrega do primeiro ao último minuto. Em resumo: é preciso saber vencer, sem preocupação em atuar mais bonito ou ter mais posse de bola que o adversário. Ser eficiente é a solução.

 Cobertura nas redes sociais

 Com apoio do Plasc, o Toque de Bola faz ampla cobertura dos jogos do Tupynambás, com informações sobre a partida e os bastidores, vídeos e entrevistas com principais personagens. Confira trechos da entrevista do treinador em conteúdos exclusivos.

 Acesse aqui a nossa fanpage – Acesse aqui o nosso Instagram – Acesse aqui o nosso Twitter

Confira, abaixo, os principais trechos da entrevista de Lúdyo Santos

Sobre a derrota para o Nacional

“A gente andou bem abaixo do que poderia. Já vínhamos conversando, Comissão (Técnica) e diretoria, que talvez esse momento da competição fosse o mais difícil para nós. Pelo fato de termos um grupo muito jovem, e um período que não teríamos rotina de treinamento. Seria muito ajuste na base da conversa e não sabíamos que tipo de resposta iria acontecer. (Sábado) Também foi isso. Tentamos ajustar com conversa, dentro do que o Nacional poderia conseguir oferecer de perigo. Conseguimos em muitas situações ajustar, mas em detalhes primordiais acabamos pecando um pouquinho. Tomando decisões erradas, tempo errado, e principalmente, jogando dentro da nossa casa, faltou mais agressividade em relação ao que o Nacional permitia. Sabíamos que os zagueiros iam neutralizar as jogadas aéreas com o Ademilson. É um momento de equilíbrio. Sabemos o que aconteceu no ano passado, o América de Teófilo Otoni terminou a primeira fase (do hexagonal)  com dois pontos e conseguiu reverter, o Nacional terminou com 11 pontos e não conseguiu subir. É um momento de equilíbrio, temos que ter muito foco, observação, fazer os ajustes pontuais para fazer uma boa partida contra o Boa.”

A sequência

“Teremos que correr atrás de ponto contra adversários que provavelmente vão jogar contra nós segurando o placar porque sabem que a necessidade da vitória é nossa. Não podemos é perder o que temos de forte, independente de como a gente jogue. Tentamos um ajuste na construção de jogadas, mas infelizmente mais uma vez sofremos com isso. Nos momentos  que tentamos ter posse de bola  construir jogadas, o adversário aproveitou contra-ataques e acabou fazendo os gols. Foi assim em todas as três partidas. O nosso time, mesmo com posse de bola, não está conseguindo infiltrar muito. É um jogo de paciência. Futebol você não precisa ter mais posse de bola que o adversário, tem que fazer mais gols. Talvez em algum momento tenhamos nos desequilibrado nesse sentido, ser mais eficiente, o que foi a nossa tônica na fase classificatória. Mas para fazer isso precisamos de ambiente e jogadores equilibrados. Mas principalmente por ser um grupo  de jogadores jovens, precisamos nos organizar para que eles assimilem só á base de informação, sem a rotina de treinamentos.”

“Atletas não se acostumaram”

“Talvez tenhamos o menor número de atletas acostumados com o Módulo 2. E o Módulo 2 é muito competitivo, se resolve muitas vezes com 1 a 0, 2 a 1, pouca diferença de gols, onde a luta tem que ser do primeiro ao último minuto. E os  nossos atletas  não se acostumaram com isso,  com essa  entrega competitiva, e vamos falar até em um jogo com muitas  limitações. Um jogo feio para o torcedor, como foi em Uberaba, em que ele foi eficiente, e nós estamos nos adaptando a isso. É difícil passar aos jogadores que podemos ganhar aos 46 do segundo tempo ou ganhar com um minuto e a partir daí impedir simplesmente o jogo do adversário. Em muitos momentos podemos fazer o mais simples, só a destruição das jogadas, e a gente já quer destruir pensando em construir, que é o jogo mais complexo. O momento agora é de aproveitar os jogadores que absorveram melhor a competição, que entenderam melhor a competição. Vamos ter que fazer essa filtragem e entrar com atletas mais eficientes, mais produtivos, dentro do que a competição exige. É uma competição de poucos erros  e muita entrega. Precisamos de jogadores que consigam anular o adversário e ser eficientes no momento que a gente puder definir o  jogo”

 

Texto: Toque de Bola

Arte: Toque de  Bola

Edição: Toque de Bola


Voltar

Deixe uma resposta

Notícias


20 ago 2018
Caixa reforçado! Copa do Brasil traz nova receita ao Tupi em 2019

20 ago 2018
Copa Prefeitura Bahamas de Futebol Amador: veja resultados e tabelas

17 ago 2018
Fripai campeã geral, masculino e feminino. Veja números finais dos Jogos SESI JF

17 ago 2018
Tite convoca Seleção para amistosos e desfalca times brasileiros

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse