27 mar 2011

Rogério Ceni chega ao 100º gol e desabafa



São Paulo (SP), 27 de março de 2011

Rogério Ceni passou quatro dias minimizando a possibilidade de fazer o centésimo gol de sua carreira contra o Corinthians se ele não viesse acompanhado da vitória. Neste domingo, 27, o arqueiro não só chegou ao tento histórico como ajudou o time a superar o rival por 2 a 1 na Arena Barueri e quebrar uma incômoda marca de 11 partidas sem fazê-lo.

O relógio marcava oito minutos do segundo tempo quando o goleiro tricolor bateu com perfeição falta sofrida por Fernandinho, no ângulo direito de Julio Cesar. Era a coroação e a simbolização mais do que perfeita para o jogador, maior arqueiro-artilheiro de toda a história do futebol. Dagoberto havia aberto o placar aos 40 minutos da primeira etapa, e Dentinho descontou aos 22 da fase complementar.

Coincidência ou não, a última vitória tricolor sobre o rival, no distante dia 11 de fevereiro de 2007, também teve tento de Rogério, o segundo naquele triunfo por 3 a 1. Lá, era o gol 71 de sua carreira. Seu retrospecto contra o Corinthians agora tem 17 vitórias a favor, 16 empates e 19 derrotas.

Com o resultado, o São Paulo, além do tabu quebrado, passa o Corinthians, agora terceiro, na tabela de classificação do Campeonato Paulista nesta 16ª rodada, agora com 34 pontos, mesma quantidade rival, mas com a vantagem de uma vitória a mais (11 a 10). O Palmeiras é o líder com 35.

Pelo lado alvinegro, o resultado também aumenta para três o número de derrotas da equipe sob o comando de Tite, a mais doída delas para o Tolima ainda fase pré-grupos da Libertadores da América. A outra foi no Paulista.

A partida, tensa, teve três expulsões, sendo duas pelo lado do Corinthians e uma no do São Paulo. O primeiro a receber o cartão vermelho foi o lateral direito Alessandro. Logo depois foi a vez de Dagoberto, autor do primeiro gol tricolor, também ser excluído pelo árbitro Guilherme Ceretta de Lima. Dentinho também acabou punido e fora da partida mais cedo.

O jogo

Sem contar com a sensação Lucas, servindo a seleção brasileira, e Juan, suspenso, o São Paulo foi armado com Ilsinho no meio-campo e Junior Cesar na lateral esquerda. Outra novidade de Paulo César Carpegiani foi o volante Rodrigo Souto no lugar de Casemiro. Já o Corinthians repetiu a escalação que vinha de três vitórias consecutivas. A única ausência na lista de relacionados do técnico Tite foi Bruno César, que está prestes a deixar o clube rumo ao Benfica, de Portugal. O titular do meio-campo, no entanto, já vinha sendo Morais.

O primeiro lance que mexeu com a torcida aconteceu aos oito minutos. Miranda protegeu bola na linha de fundo à frente de Liedson e saiu jogando, mas vacilou e foi desarmado. O atacante atrasou a bola para Morais, que chutou colocado e acertou a defesa são-paulina. Depois da bobeada na defesa, o São Paulo ensaiou chutes de longa distância em direção à meta de Julio Cesar. Dagoberto, duas vezes pela meia direita, e Jean, em sobra da intermediária, até colocaram força na bola, mas os arremates saíram pela linha de fundo.

Aos 18 minutos, Liedson foi derrubado por dois marcadores do São Paulo, Rodrigo Souto e Alex Silva, e ganhou falta perigosa no bico direito da área. Mas o lateral esquerdo Fábio Santos, homem da bola parada corintiana, cobrou sem ameaçar o gol de Rogério Ceni. O jogo seguiu equilibrado e sem trabalho para os goleiros até 39 minutos, quando Dagoberto voltou a arriscar de longe. Desta vez, entretanto, o atacante acertou a pontaria. Da meia esquerda, o são-paulino chutou forte, no canto direito, para inaugurar o marcador.

Segunda etapa quente

Mas a partida só esquentou de verdade no retorno do intervalo. Aos oito minutos do segundo tempo, o goleiro-artilheiro Rogério Ceni cobrou falta com perfeição, próxima ao bico esquerdo da área e acertou o ângulo direito de Julio Cesar, fazendo seu centésimo gol na carreira.

Depois de minutos de festa em Barueri, com direito a fogos de artifício, o Corinthians ainda perdeu Alessandro, que recebeu cartão vermelho por cometer falta violenta em Dagoberto na lateral do gramado. A expulsão poderia complicar a equipe alvinegra, mas Dentinho, aos 22 minutos, arriscou da meia esquerda, no canto direito de Ceni, e diminuiu a vantagem.

Para melhorar a situação corintiana, Dagoberto entrou forte em Dentinho no campo de ataque, dois minutos depois do gol, e também foi expulso de campo pelo árbitro. Só que o atacante alvinegro, autor do gol e responsável por tirar o são-paulino da partida, também perdeu a cabeça mais tarde, acertou Rodrigo Souto e deixou o Corinthians novamente com dez jogadores.

Ciente do erro cometido quando teve um jogador a mais da primeira vez, o São Paulo acalmou os ânimos e passou a cozinhar o jogo. O Corinthians seguiu em cima, mas teve dificuldades para vencer a barreira defensiva são-paulina, não mais balançou a rede e viu o tabu cair.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 2 X 1 CORINTHIANS

Local: Arena Barueri, em Barueri (SP)

Data: 27 de março de 2011, domingo

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima

Assistentes: Celso Barbosa de Oliveira e Carlos Alberto Funari

Assistentes adicionais: Luiz Flávio de Oliveira e Antônio Rogério Batista do Prado

Cartões amarelos: Dagoberto, Rogério Ceni, Junior Cesar, Ilsinho e Rhodolfo (São Paulo); Jorge Henrique (Corinthians)

Cartões vermelhos: Alessandro e Dentinho (Corinthians); Dagoberto (São Paulo)

GOLS: SÃO PAULO: Dagoberto, aos 39 minutos do primeiro tempo, e Rogério Ceni, aos oito minutos do segundo tempo; CORINTHIANS: Dentinho, aos 22 minutos do segundo tempo

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva, Miranda e Junior Cesar; Rodrigo Souto (Casemiro), Jean, Carlinhos Paraíba, e Ilsinho (Marlos); Fernandinho (Rivaldo) e Dagoberto

Técnico: Paulo César Carpegiani

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos (Danilo); Ralf, Paulinho, Morais (Cachito Ramírez) e Jorge Henrique (Willian); Dentinho e Liedson

Técnico: Tite

Goleiro exalta nação são-paulina e critica “coisa ruim no futebol”

O momento era de festa pelo 100º gol, mas Rogério Ceni não esqueceu as lutas recentes do São Paulo fora de campo. Ao dedicar o feito histórico, o goleiro lembrou da “nação são-paulina” e das disputas políticas em que o clube tem se envolvido nos últimos anos. Sem citar nomes, Rogério fez uma clara crítica a Ricardo Texeira, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

“Esse gol é para toda a nação são-paulina e para a entidade São Paulo Futebol Clube, que luta contra tanta coisa ruim no futebol. Quero dedicar a todos os caras que enfrentam dificuldades e trazem benefícios para o futebol brasileiro. Gente que quer dividir com todos, gente justa que quer o melhor para o futebol, que não quer só ganhar dinheiro”, desabafou Rogério.

“O São Paulo sempre quis o melhor para ele, mas também para os outros. O time tem sido prejudicado por querer o melhor para o futebol brasileiro. Será que só uma pessoa manda nesse país? Mais que o presidente da república até?”, perguntou o goleiro, referindo-se ao presidente da entidade que comanda o futebol nacional.

Nos últimos anos, o São Paulo e a CBF têm vivido em constante disputa. A briga começou com a eleição do Clube dos 13, em abril do ano passado, quando o clube apoiou Fábio Koff na disputa com Kleber Leite, apoiado pela entidade.

Um dia depois de Koff ter sido reeleito, a entidade anunciou que o Morumbi, estádio são-paulino, estava fora da Copa do Mundo de 2014. Em agosto do mesmo ano, foi anunciado que o futuro estádio do Corinthians – presidido por Andrés Sanchez, aliado de Ricardo Teixeira – receberia o Mundial.

A queda de braço continuou com a disputa pelos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro entre a Rede Globo e o Clube dos 13. Enquanto Corinthians e outros nove clubes já fecharam contrato com a emissora carioca, o São Paulo defende uma negociação em grupo e sob o guarda-chuva da instituição que representa 20 clunes e que rachou por conta da questão.

Outra polêmica entre o clube a CBF que se arrasta é a da Taça das Bolinhas. O troféu foi confeccionado para ser entregue ao primeiro clube cinco vezes campeão brasileiro. Como a CBF não reconhecia o título do Flamengo em 1987, o São Paulo recebeu a taça no dia 13 de fevereiro neste ano.

Em mais um capítulo da disputa, a CBF decidiu oito dias depois que reconheceria o título do clube carioca. Assim, o Flamengo seria considerado o primeiro pentacampeão, passando a ter, segundo a entidade, o direito de reivindicar o troféu.

Textos: site da ESPN Brasil – www.espn.com.br

Foto: Wander Roberto/Vipcomm


Voltar

Deixe uma resposta

Notícias


19 fev 2018
JF Vôlei tem semana de desafios seguidos em busca da reação na Superliga

17 fev 2018
Baeta perde na estreia do Módulo 2

17 fev 2018
Tupynambás estreia no Módulo 2 fora de casa

16 fev 2018
Com Leão ainda treinador interino, Tupi visita URT

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse