27 jul 2012

Londres 2012: Basquete feminino se espelha na geração de Hortência e Paula para voltar a brilhar



A seleção brasileira feminina de basquete inicia neste sábado, 28, sua caminhada nos Jogos Olímpicos Londres2012. Apartida contra a França, marcada para as 16h (horário de Brasília), no Basketball Arena, representa muito mais do que uma simples estreia. A equipe do técnico Luís Cláudio Tarallo busca inspiração na geração formada por Hortência, Paula, Janeth & Cia, medalha de prata em Atlanta 1996, para começar bem a competição e conseguir subir ao pódio.

Além da França, a seleção brasileira feminina terá pela frente no Grupo B Rússia (30/07), Austrália (01/08), Canadá (03/08) e Grã-Bretanha (05/08). No Grupo A, estão Estados Unidos, China, Angola, Croácia, República Tcheca e Turquia. No período de treinos no Crystal Palace, o técnico Tarallo procurou priorizar o sistema defensivo da equipe.

“Evidente que as meninas evoluíram muito no sistema de jogo, contra-ataque e defesa. Hoje posso dizer que não estamos muito longe do ideal, principalmente na parte defensiva, que virá com a sequência de jogos”, previu o técnico.

Para Tarallo, Austrália (medalha de prata nas três últimas edições olímpicas), Rússia (atual campeã europeia) e França (campeã europeia em 2009) são as favoritas do grupo. As quatro melhores seleções de cada chave avançam às quartas-de-final. “Estamos trabalhando para surpreender, sabendo que talvez quem fique como quarto colocado tenha grande chance de disputar o jogo da morte com os Estados Unidos, na segunda fase. Vou armar a equipe de acordo com o adversário que teremos pela frente”, diz ele.

A grande estrela e maior esperança da seleção feminina para os Jogos Olímpicos Londres 2012 está nas mãos da pivô Érika, que atua na WNBA. Na ótica da atleta do Atlanta Dream, o grupo evoluiu, principalmente após o último amistoso contra as norte-americanas. “Posso garantir que estamos prontas para os Jogos. A estreia é sempre importante para quebrar a ansiedade e dar confiança à equipe para os próximos jogos”, salientou a pivô de 30 anos e 1,97m.

Hortência, atual diretora de seleções femininas da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), lembrou a importância da mescla no grupo. “Com 16 anos, eu já era titular da seleção adulta de basquete, mas só fui ganhar um título mundial 18 anos depois. Quando há jogadoras mais experientes no grupo, como aconteceu em Atlanta quando eu e a Paula ajudamos as mais novas Janeth e Alessandra, há chance de o resultado aparecer”, exemplificou Hortência, medalha de prata nos Jogos Olímpicos Atlanta 1996.

O time do Brasil nos Jogos de Londres terá 11 atletas: Adrianinha, Tássia, Joice (armadoras), Karla, Chuca (alas-armadoras), Silvia (alas), Érika, Damiris, Nádia, Clarissa e Franciele (pivôs). As meninas chegaram à Vila Olímpica na última quinta-feira, 26 de julho. Além da medalha de prata em Atlanta 1996, maior feito olímpico alcançado pelas meninas do basquete, a seleção também foi campeã mundial em 1994 e bronze nos Jogos Olímpicos Sydney 2000.

Texto: Alexandre Bittencourt para o Comitê Olímpico Brasileiro.


Voltar

Deixe uma resposta

Notícias


23 abr 2018
Simão revela que Ademilson não disputaria Módulo 2 e garante artilheiro na Primeira

23 abr 2018
Copa Prefeitura Bahamas de Futsal: resultados do Boletim 6

21 abr 2018
Gol de Adê, 43 anos, aos 43 minutos! Baeta vence e sobe

19 abr 2018
Baeta confiante para buscar o “combo”: vitória, acesso e vaga na final

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse

error: Conteúdo protegido.