18 set 2013

Prefeito de Aparecida de Goiânia vê incompetência do STJD



A Aparecidense foi eliminada do Campeonato Brasileiro da Série D em julgamento na última segunda-feira (16). Isso ocorreu em função do massagista ter entrado em campo e evitado o gol no jogo diante do Tupi. O prefeito da cidade de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, concedeu entrevista à Rádio 730 e se mostrou indignado com essa decisão e diz que o clube vai recorrer.

“A Aparecidense vai recorrer e vai lutar com todas as suas forças para derrubar essa decisão. A penalização da Aparecidense não é correta naqueles termos. Então, é uma situação desconfortável para todo mundo, mas temos que usar agora o bom senso e ele mandaria no máximo outro jogo e não eliminação total”, considerou.

Ele acredita que a decisão de eliminar a Aparecidense mostrou incompetência do STJD em função do artigo que ela foi enquadrado não ser o correto. “(Estou) revoltado, indignado, e o Tribunal de Justiça Desportiva da CBF deu uma demonstração de incompetência porque ele usou um artigo que não existe. A meu ver, eles agiram ilegalmente”, disse.

O procurador do STJD, Paulo Schmitt, afirmou ao Portal Futebol Interior que vai recorrer dessa decisão. Segundo ele, o ocorrido teria que ter sido enquadrado no artigo 243 fazendo com que a partida fosse anulada. O enquadramento no artigo 205 foi equivocado, já que a partida chegou ao fim e não foi paralisada no meio. Por isso, não caberia eliminar a equipe da competição.

Outra decisão

Maguito afirma que a melhor decisão seria de fazer outro jogo em um campo neutro, já que a partida não teria condição de ser realizada em Juiz de Fora por falta de segurança. O prefeito diz que não concorda com a atitude tomada pelo tribunal porque essa medida prejudicou todo um clube em função de um funcionário.

“Sacrificar uma equipe inteira, a torcida, a cidade e a diretoria, por um ato impensável do massagista. Aí a gente não pode concordar, a decisão na minha visão foi esdrúxula, ela não tem precedente. Como eu não concordo com a atitude do Esquerdinha, eu também não posso concordar com a decisão do STJD”, comentou.

Esquerdinha

O jogo entre Tupi e Aparecidense terminou empatado em 2 a 2 e com isso o time goiano se classificou. O massagista Esquerdinha entrou em campo aos 44 minutos do segundo tempo para evitar o gol da derrota. Maguito não considera a atitude correta, mas ressalta que foi uma decisão apenas do próprio funcionário, sem influência da instituição.

“É lógico que o ato dele é um ato reprovável, ninguém pode apoiar um ato que não foi correto. Agora, isso foi um minuto de tensão emocional dele, ninguém tem nada a ver com isso, ninguém mandou ele tomar aquele tipo de atitude”, afirmou o prefeito de Aparecida de Goiânia.

Maguito considera errada a atitude, mas entende o massagista. “Se ele teve um minuto de tensão emocional e quis defender o time pelo qual ele estava trabalhando, é uma atitude reprovável, mas compreensível. Todo mundo tem um minuto de descontrole, mas aprovar a atitude dele ninguém aprova”, destacou.

Texto e informações: Portal 730


Voltar

Uma Resposta to “Prefeito de Aparecida de Goiânia vê incompetência do STJD”

Deixe uma resposta

Notícias


15 jan 2018
Primeira transexual da Superliga, Tiffany foi grande destaque como Rodrigo no acesso de JF à elite do vôlei

14 jan 2018
Chapa “Baeta para o Futuro” vence eleições no Tupynambás

14 jan 2018
JF Vôlei perde chance de encostar em Montes Claros e mira melhor rendimento do ataque

12 jan 2018
“La Bestia Negra”: Cruzeiro anuncia atrações extra-campo na noite de estreia contra o Tupi

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse