24 set 2013

Crônica: ´Empurrem para o gol a bola que aquele imbecil bloqueou´



“Sábado, fim de tarde, começo de noite, saio de casa com o meu kit de sobrevivência (duas blusas, meia de lã, rádio de pilha, papel higiênico) e com o olhar de reprovação de minha mulher vou para o Estádio assistir a mais um jogo do meu TUPI, desta vez um jogo decisivo de “mata-mata” contra o Aparecidense.

O frio era intenso, como intensa era a minha esperança de mais uma vitória.

Jogo difícil, como sempre. Times pequenos não têm craques e são todos iguais. Do lateral direito ao ponta esquerda não existe diferença. As vitórias são muito suadas e conquistadas com muita entrega e suor, mesmo naquele frio.

Neste sábado não estava nada diferente. Na verdade, até pior. Ficamos atrás do placar por duas vezes. Precisávamos de uma virada épica. A desclassificação era iminente.

Eu já em pé, acima dos degraus da arquibancada me preparando para ir embora e, ao mesmo tempo, sem vontade de ir. Sentia muito frio. Acho que é a idade.

De repente o ataque fatal e o chute do Ademilson. Vi a bola entrando e comemorei.

Penso que devo ter perdido o sentido por alguns segundos.

Vendo a cena dantesca, desabei sentado na arquibancada.

Custei a entender o que estava acontecendo.

Pensando bem, até agora não entendo.

O que leva um homem a cometer uma atitude daquelas? A resposta é simples: ser humano. Aquele que mata seu semelhante por nada. Aquele que rouba, estupra, agride, infringe,transgride… O mesmo que legisla, julga, penaliza, prende, discrimina, não reeduca.

O discurso de valores não praticados. Evoca Deus e Jesus Cristo da boca para fora. Age como demônio. O mal, o perverso, o errado, a falcatrua é tudo aquilo em que eu não estou no meio.

Fez o que fez em nome de alguma coisa, ou a mando de alguém ou por alguém. Tolo. Sua caminhada é solitária. Companheiros de agora o abandonarão mais adiante. O preço é alto.

Agora, fala-se em legislação, julgamento, Advogados, Tribunais.

Deixei o aconchego de minha casa, minha mulher, meu vinho para ver um jogo de futebol do time que amo e  fui roubado, ridicularizado, enganado.

Nada posso fazer. Não tenho ação nenhuma a fazer a não ser esperar o tal julgamento.

Espero que haja homens de bem a fazê-lo. Não deixem acontecer uma inversão de valores. Vilões se transformando em vítimas. Façam a justiça. E a justiça, neste caso é um gol. Procuradores, advogados e juízes: vistam acamisa 9 do Ademilson e empurrem para dentro do gol a bola que aquele imbecil bloqueou.

Crônica de Theophilo do Amaral Castellões Junior, especial para o Toque de Bola

 


Voltar

4 Respostas to “Crônica: ´Empurrem para o gol a bola que aquele imbecil bloqueou´”

  1. Fernando Rizzato
    27/09/2013 às 10:34

    Quero parabenizaar ao Theophilo pela excelente crônica.
    Eu comemorei o goal aqui na Armenia e não mais voltei a ouvir o jogo. No dia seguinte a manhchete no UOL e eu não acreditei. Toda a minha vibração teria sido em vão? Agora tenho certeza que não. E sem direito aos embargos infringentes.
    Vou comemorar de novo. Agora depende só dos nossos jogadores fazerem por merecer esta justiça que foi feita.
    Pra frente GALO CARIJÓÓÓÓÓO!!!!

Deixe uma resposta

Notícias


22 nov 2017
Basquete dos Intercolegiais: conheça todos os atletas campeões e veja as avaliações dos professores

22 nov 2017
JF Vôlei receita “foco e determinação” para buscar reação contra dois adversários diretos na pontuação

20 nov 2017
Com títulos e recordes, CRIA-UFJF brilha nos Jogos Escolares da Juventude

17 nov 2017
Rodrigo Rezende é 27º lugar no Mundial de Ginástica de Trampolim na Bulgária

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse

error: Conteúdo protegido.