13 fev 2014

Ministério Público pede multa de R$ 56 milhões à CBF e indenização por ingressos e pay-per-view



  O Ministério Público de São Paulo – MPSP – anunciou na tarde desta quinta-feira por meio do promotor Roberto Senise Lisboa que protocolou uma ação civil pública pedindo à Justiça a anulação dos julgamentos do Supremo Tribunal de Justiça Desportiva – STJD – que determinaram a queda da Portuguesa à Série B do Campeonato Brasileiro, além do pagamento por parte da CBF de R$ 56 milhões e do dobro dos valores gastos pelos torcedores de Lusa e Flamengo em ingressos e em pacotes de pay-per-view de jogos do Brasileirão-2013.

Os dois clubes foram punidos com a perda de quatro pontos cada um na competição graças às escalações irregulares do meio campista Héverton, da Portuguesa e do lateral esquerdo André Santos, do Flamengo. Com a suspensão, o time paulista acabou relegado ao grupo dos quatro piores que são rebaixados.

Torcedores da Portuguesa

Torcedores da Portuguesa

O MP se baseia no Estatuto do Torcedor para afirmar que a CBF deveria ter publicado a decisão das suspensões dos atletas pelo Tribunal de Justiça Desportiva – TJD – em seu site oficial antes que fossem disputadas as partidas em que eles acabaram sendo escalados.

Sendo assim, o órgão público pede que a CBF seja obrigada a revisar a perda de pontos das duas equipes sob pena de multa diária de R$ 500 mil reais até o efetivo cumprimento da decisão e que a entidade revise todos os atos de organização e administração do Campeonato Brasileiro de 2014, de 2015, 2016 e 2017 levando em consideração a classificação do Brasileiro de 2013, sem a perda dos pontos de Lusa e Fla, sob a mesma pena de R$ 500 mil.

O pagamento da multa de R$ 56 milhões diz respeito à reparação de danos morais sofridos pelos torcedores pela “alteração ilegal da tabela da Série A” e corresponde à metade dos valores arrecadados por Portuguesa e Flamengo pelos direitos de transmissão do Brasileirão de 2012. Esse valor seria revertido para o fundo de direitos difusos, usado para proteção dos direitos dos consumidores – inclusive de práticas esportivas – e demais interesses difusos e coletivos, como interesses ambientais e urbanísticos.

Também por danos morais se justifica o pagamento do dobro dos valores gastos pelos torcedores de Lusa e Flamengo em ingressos e em pacotes de pay-per-view.

O promotor Roberto Senise acredita que entre dois a sete dias a Justiça emita uma decisão sobre o pedido do MP, obrigado ou não a CBF a restituir os pontos perdidos pelos clubes e a pagar os valores citados.

Ele citou o caso da Máfia do Apito do Campeonato Brasileiro de 2005, envolvendo jogos manipulados pelo árbitro Edilson Pereira de Carvalho, como exemplo de que como este novo episódio pode se arrastar. A CBF e a Federação Paulista de Futebol só foram condenadas a arcar com pagamentos de R$ 20 milhões e R$ 4 milhões, respectivamente, em 2013.

Ainda segundo o promotor, a Justiça pode determinar apenas a restituição dos pontos de Portuguesa e Flamengo, isentando a CBF do pagamento das multas. O inverso, contudo, não deve ocorrer.

Senise lembra que as investigações sobre as suspeitas de que alguém teria pagado a dirigentes da Portuguesa para que Héverton fosse escalado propositalmente de forma irregular continuam e não têm qualquer influência sobre a ação civil pública apresentada nesta quinta-feira.

Texto e informações: site da ESPN Brasil

Foto: Arquivo Toque de Bola


Voltar

Deixe uma resposta


Mais notícias



07 fev 2018

Comissão Técnica da seleção divulga escala de jogos e treinos no Brasil e na Europa


05 fev 2018

Com grama artificial e mando “vendido”, mas sem árbitro de vídeo, Série A tem tabela divulgada


02 fev 2018

Árbitro francês que chutou zagueiro brasileiro pega “geladeira”

Notícias


19 fev 2018

Que salto foi esse? Tupi sai da escuridão da lanterna para a luz das quartas


19 fev 2018

JF Vôlei tem semana de desafios seguidos em busca da reação na Superliga


18 fev 2018

Tupi ignora mando de campo da URT e vence por 2 a 0


17 fev 2018

Baeta perde na estreia do Módulo 2


+ notícias

Toque de Bola


O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.

Desenvolvimento




Acesse