16 out 2011

Coelho repete roteiro de (quase) sempre: início brilhante, final irritante



Depois de um primeiro tempo brilhante, quando dominou completamente o adversário e saiu com vitória parcial de 1 a 0 para o intervalo, o América voltou a repetir erros que pareciam superados e acabou sofrendo a quinta virada no Campeonato Brasileiro. A equipe americana chegou a empolgar com seu bom futebol e estava deixando a lanterna da competição, mas pagou caro por seus erros e saiu derrota por 2 a 1 pelo Figueirense, nesta noite de sábado, no estádio Orlando Sacapelli, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Rodriguinho, com um belo chute de fora da área abriu o placar, na etapa inicial. Mas em dois jogadas de bola parada o time da casa aproveitou para empatar e virar.

O JOGO

Com muitos desfalques por contusões e suspensões, o time mostrou como novidade o retorno do artilheiro Alessandro depois de um longo período de recuperação de um estiramento muscular.

O Coelho começou com forte marcação e tocando a bola com tranqüilidade. A primeira oportunidade veio aos 4 minutos, em boa troca de passes entre Fábio Júnior e Alessandro que, desequilibrado, concluiu ao gol de Wilson. Dois minutos depois, Thiago Carleto bateu forte de fora da área, mas, nas mãos do goleiro.

A primeira chance de perigo para o time da casa aconteceu só aos 21 minutos, com o atacante Júlio Cesar arriscando de fora. O goleiro Neneca voou no canto esquerdo e desviou para linha de fundo. Na cobrança, o goleiro fez outra grande defesa.

Em resposta, aos 25, Thiago Carleto recebeu na esquerda, ajeitou e soltou a bomba de fora da área. Mas a bola explodiu no travessão.

O Coelho continuou em cima, tocando a bola próxima à grande área do Figueirense, e, aos 27, foi Amaral quem arriscou, porém, por cima do gol de Wilson.

O time da casa veio responder em seguida com Túlio, que saiu de frente para a goleiro Neneca, que fez uma defesa espetacular.

 COELHO ABRE O PLACAR

O time americano tocava a bola e esperava o momento certo para atacar o adversário. E, aos 36 minutos, o zagueiro Willian Rocha roubou a bola na defesa e saiu fazendo fila até o ataque, pelo meio, tocou para Alessandro na esquerda que viu Rodriguinho livre na meia lua. O camisa 10 ajeitou e chutou forte, no ângulo esquerdo do goleiro Wilson, para abrir o placar. Um golaço: América 1 x Figueirense.

 SEGUNDO TEMPO

O time alviverde voltou para o para a segunda etapa sem alterações e com a mesma postura do primeiro tempo. Tanto que a primeira oportunidade aconteceu no primeiro minuto de jogo com Amaral cobrando falta pela esquerda e Fábio Júnior desviando na grande área pela linha de fundo.

O Coelho seguia firme na marcação tanto que o Figueirense só conseguiu chegar aos 10 minutos em cobrança de falta da intermediária. A bola ainda quicou antes de chegar até o goleiro Neneca.

Aos 19 minutos, a primeira chance do artilheiro Alessandro na segunda etapa. Ele recebeu pela direita, invadiu a grande área e chutou cruzado. A bola tinha endereço certo, mas o goleiro Wilson conseguiu fazer a defesa.

 EMPATE E VIRADA

Aos 24 minutos, em cobrança de falta pelo lado esquerdo da área americana, Júlio César bateu com efeito sem chances para o goleiro Neneca e empatou em 1 a 1.

O Coelho não sentiu o gol e continuou buscando a vitória. Aos 29, o zagueiro Everton avançou ao ataque e arriscou de fora da área, porém, pela linha de fundo. Em seguida, o técnico Givanildo Oliveira fez a primeira substituição na equipe americana colocando o velocista Léo na vaga de Fábio Júnior.

O jogo passou a ser lá e cá com as duas equipes tendo oportunidades para as duas equipes. Aos 33, recebeu cruzamento na grande área, ajeitou no peito e rolou para Carleto chutar firme, mas por cima do gol de Wilson. Dois minutos depois Amaral cobrou falta pela direita e antes de chegar a Alessandro o goleiro Wilson saltou e socou a bola para fora da área.

 O CASTIGO

Aos 37 minutos, após cobrança de escanteio pela direita, o atacante Aloísio cabeceou na pequena área, a bola passou por entre as pernas do zagueiro Preto e sobrou para Wellington Nem chutar antes que Neneca pudesse chegar e fazer a defesa. Um castigo para a equipe americana que fazia uma boa partida. América 1 Figueirense 2.

O time se abateu com o segundo gol, mas ainda tentou chegar. Aos 41, o técnico Givanildo, em busca do empate, colocou o meia Irênio na vaga do zagueiro Everton Luiz, desfazendo o esquema 3-5-2 para 4-4-2. Mas não deu tempo.

A delegação volta à capital mineira na manhã deste domingo e se reapresenta na segunda-feira, 16/10, para iniciar os trabalhos para a partida do próximo sábado contra o Grêmio, na Arena do Jacaré. Para esse jogo o técnico Givanildo perdeu o volante Amaral, pelo terceiro cartão amarelo, mas poderá contar com os retornos de Micão, China e Kempes que cumpriram suspensão.

FICHA TÉCNICA

Figueirense 2×1 América

Data: 15 de outubro de 2011, domingo

Horário: 18h

Local: Estádio Orlando Scarpelli, Santa Catarina

Público: 7.532

Renda: R$ 81.985,00

Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães

Auxiliares: Altemir Hausmann e Erich Bandeira

Cartões amarelos: Juninho, Bruno Vieira, Ygor – Figueirense; Thiago Carleto, Everton Luiz, Leandro Ferreira, Amaral – América;

Gols: Rodriguinho (36’ – 1° tempo) – América; Júlio César (24’ – 2° tempo), Wellington Nem (37’ – 2° tempo) – Figueirense;

FIGUEIRENSE: Wilson; Bruno Vieira, Roger Carvalho, Edson Silva, Juninho; Túlio (Pittoni), Ygor, Maicon (Aloísio), Elias (Fernandes), Wellington Nem; Júlio César. Técnico: Jorginho.

AMÉRICA: Neneca; Everton Luiz (Irênio), Preto, Willian Rocha; Marcos Rocha, Leandro Ferreira, Amaral, Rodriguinho, Thiago Carleto; Alessandro e Fábio Júnior (Léo). Técnico: Givanildo Oliveira.

 Marcus Salum se irrita com derrota em Floripa

O integrante do Conselho de Administração do América, Marcus Salum, não escondeu sua irritação com o resultado da partida. O dirigente chegou cedo em Florianópolis para acompanhar a delegação e não tinha dúvida da vitória. Durante o jogo, reforçou sua confiança, pois via a equipe construir com muita consistência a vitória, mesmo com os vários desfalques. Porém, em dois descuidos, mais três pontos escaparam, com a equipe americana permanecendo na lanterna.

“Nem é bom falar em momento como este, para não dizer bobagem. Mas perder um jogo desses é culpa nossa. O América fez um belo primeiro tempo, estava com o jogo sob controle até os 30 minutos do segundo tempo e em duas bobeadas tomamos a virada. Isso é falha da nossa equipe. O América tem que entender que tem que buscar o resultado até o final”.

Marcus Salum, como todos os americanos, passará o domingo de olho nos outros resultados. Pelo menos um deles já contribuiu para reduzir o prejuízo americano. É que o Flamengo derrotou o Ceará também no sábado. Porém, Salum quer uma reflexão do grupo, para reconhecer os erros e evita-los nos últimos oito jogos:

“A gente está triste e chateado. Hoje era o dia da virada. Agora vamos torcer pelos resultados ajudarem. Mas vamos olhar para dentro e ver que não podemos errar como erramos hoje. Estamos deixando a situação cada vez mais difícil para nós. Hoje poderíamos deixar a lanterna e encostar mais para sair do rebaixamento. Mas este tipo de derrota é difícil de digerir. Nosso time não poderia nunca perder um jogo desses, completamente dominado”, desabafou o dirigente.

Textos: site oficial do América

 

 


Voltar

Deixe uma resposta

Notícias


22 nov 2017
Basquete dos Intercolegiais: conheça todos os atletas campeões e veja as avaliações dos professores

22 nov 2017
JF Vôlei receita “foco e determinação” para buscar reação contra dois adversários diretos na pontuação

20 nov 2017
Com títulos e recordes, CRIA-UFJF brilha nos Jogos Escolares da Juventude

17 nov 2017
Rodrigo Rezende é 27º lugar no Mundial de Ginástica de Trampolim na Bulgária

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse

error: Conteúdo protegido.